sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Terror & Ficção - Anjos da Noite: Guerras de Sangue

Título no Brasil: Anjos da Noite - Guerras de Sangue
Título Original: Underworld - Blood Wars
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Lakeshore Entertainment
Direção: Anna Foerster
Roteiro: Cory Goodman, Kyle Ward
Elenco: Kate Beckinsale, Theo James, Tobias Menzies, Lara Pulver, Charles Dance

Sinopse:
A vampira Selene (Kate Beckinsale) agora é uma completa pária, tanto entre os lycans como entre os vampiros. Todos querem vê-la morta! As coisas mudam porém quando se descobre que sua filha poderia ser uma peça chave na guerra entre os clãs. A garotinha, uma híbrida, poderia conter o segredo para a vitória em uma guerra que já atravessa os séculos e não parece ter fim! Selene porém está disposta a defender sua filha a todo custo, sem pensar duas vezes. Após ser contactada para treinar os guerreiros vampiros, ela descobre que caiu em uma armadilha, uma traição que poderá custar sua existência.

Comentários:
Uma das coisas que sempre me irritaram nessa franquia "Underworld" e que em todos os filmes, sem exceção, a fotografia sempre se mostrou extremamente escura, absurdamente negra, onde em determinados momentos o espectador não consegue ver nada - mesmo nas melhores salas de cinema! Aqui o velho problema continua o mesmo, principalmente quando os lobisomens atacam (seria uma forma de esconder o fato de que os efeitos especiais não são assim tão bons?). A única diferença mais notável nesse novo filme vem da direção de arte de uma forma em geral. O velho visual ao estilo Matrix foi substituído por algo mais na linha "Game of Thrones". Já era hora de mudanças! Claro, Selene continua com sua roupa de couro negro, mas fora isso, todos os demais personagens parecem ter saídos da famosa série! E as semelhanças não param por aí, os roteiristas criaram inclusive um clã de vampiros que vive isoladamente em terras do norte, um lugar completamente congelado por um inverno que parece eterno, tudo protegido por uma enorme muralha (uma óbvia referência à Patrulha da Noite). Pois bem, se há inovações nesses aspectos periféricos o mesmo não se pode dizer isso em relação ao roteiro. Eles seguiram na mesma linha, com Selene no meio da guerra entre vampiros e lycans. Esse é o quinto filme da franquia, por isso resolveram apostar no mais do mesmo, no que deu certo antes, sem mudar muitas coisas. Penso que os fãs vão gostar, porém os cinéfilos em geral, aqueles que apenas estão em busca de uma boa diversão, a coisa pode soar bem decepcionante. Além de praticamente não conseguir enxergar quase nada (por causa da escuridão das cenas) corre-se o risco de ficar entediado já nas primeiras sequências. Penso que chegou a hora de encerrar "Underworld" pois já se está andando em círculos há bastante tempo. Melhor encerrar antes de ficar completamente ridículo, não é mesmo? No geral é apenas mais um filme da série, sem nada muito interessante. Nenhum efeito especial exuberante e sem nenhuma mudança mais significativa em termos de roteiro. Enfim, um verdadeiro zero a zero no placar.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Terror & Ficção - Dominação

Título no Brasil: Dominação
Título Original: Incarnate
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Blumhouse Productions
Direção: Brad Peyton
Roteiro: Ronnie Christensen
Elenco: Aaron Eckhart, Carice van Houten, Catalina Sandino Moreno
  
Sinopse:
Dr. Ember (Aaron Eckhart) trabalha com exorcismos de pessoas possuídas pelo demônio. Só que ele não é um exorcista comum. Procurando expulsar essas entidades apenas com a ciência, ele não quer saber do lado religioso de sua função. No fundo ele nem acredita em deuses ou demônios. Quando um garotinho é possuído por um membro das fileiras de Satã, uma representante da Igreja Católica resolve contratar Ember para expulsar o diabo do corpo da criança. O que Ember não sabe é que o tal espírito demoníaco é um velho conhecido seu! 

Comentários:
"Incarnate" é uma enorme bobagem! Não tem outra definição. No filme os padres e os membros da Igreja Católica precisam contratar os serviços de um exorcista freelancer para fazer o que seria basicamente o trabalho deles! E o protagonista Dr. Ember é um sujeito mal encarado, cadeirante e com traumas, que literalmente entra na mente das pessoas possuídas para sair na porrada com os demônios que encontra pela frente! Nada é sutil, nada é bem trabalhado no roteiro, não existe lugar para o místico, para o suspense, tudo é feito assim, na base da pancadaria. Os dias de "O Exorcista" realmente ficaram para trás... O curioso é que o Dr. Ember perdeu mulher e filho em um acidente de carro causado justamente pelo demônio que agora reencontra, dominando a mente e a alma de uma criança. Usando de métodos científicos fora do comum (como as tais experiência de quase morte) ele consegue entrar na mente dos possuídos e uma vez lá dentro parte para a briga! Sinceramente, que bobagem sem tamanho. Quer dizer que para combater o diabo o exorcista tem que usar de ainda mais ódio e ira? Não me parece ser uma boa fórmula para expulsar a diabada, sinceramente. Aaron Eckhart é um ator bacana, mas nem ele resiste a tamanha bobagem! No saldo geral é realmente um dos filmes de terror mais decepcionantes do ano! O incrível é saber que esse filme encontrou espaço no circuito comercial de cinemas no Brasil, enquanto outros filmes, bem mais interessantes e bem feitos, jamais serão lançados nos cinemas brasileiros. Tem algo muito errado aí...

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Terror & Ficção - O Mal Entre Nós

Título no Brasil: O Mal Entre Nós
Título Original: The Evil in Us
Ano de Produção: 2016
País: Canadá
Estúdio: Sandcastle Pictures
Direção: Jason William Lee
Roteiro: Jason William Lee
Elenco: David Aboussafy, Melanie Joy Adams, Chris Allen, Debs Howard
  
Sinopse:
Um grupo de jovens resolve passar o fim de semana na cabana do pai de um deles, bem no meio de uma reserva florestal. Lugar bonito e agradável. Juntos eles procuram se divertir, namorando, curtindo e usando drogas! O problema é que dentro dos papelotes de cocaína se encontra um vírus neurológico extremamente poderoso e nocivo que transforma os que o ingere em verdadeiros seres bestiais, sedentos por sangue e tripas!

Comentários:
Filme de terror canadense que pega uma carona na moda dos filmes e séries sobre apocalipse zumbi. Ecos do sucesso de "The Walking Dead". Claro que em um nicho tão saturado fica mesmo complicado fazer algo bom, que seja minimamente original. Vários aspectos do roteiro, como a ideia de levar jovens para uma cabana remota na floresta, são mais do que batidos! Um nível acima do clichê absoluto! Para compensar um pouco a sensação de "mais do mesmo" o roteirista Jason William Lee resolveu tirar uma casquinha, imagine só, do atual presidente Donald Trump! Explico. Nas cenas finais do filme acabamos descobrindo que a proliferação do novo vírus zumbi faz parte dos planos de um político milionário e inescrupuloso que planeja conquistar a presidência dos Estados Unidos! Junte as peças e perceba a nada sutil semelhança com o jeitão de ser de Trump! Pelo visto ele em breve se tornará mais um alvo, um vilão caricato de filmes como esse. Fora isso, nada muito positivo a comentar, a não ser a beleza das atrizes canadenses! Os produtores do filme estão realmente de parabéns pois só há garotas bem bonitas em cena, em especial Debs Howard! Pena que o diretor fugindo de outro clichê bem frequente em filmes como esse não resolveu apostar em cenas de nudez gratuita! Que vergonha sr. Jason William Lee!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Terror & Ficção - O Dia do Juízo Final

Título no Brasil: O Dia do Juízo Final
Título Original: Day of Reckoning
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Epic Pictures Group
Direção: Joel Novoa
Roteiro: Gregory Gieras
Elenco: Jackson Hurst, Heather McComb, Jay Jay Warren
  
Sinopse:
Durante uma escavação em busca de minérios fósseis, uma abertura nas profundezas abre um portal, de onde saem criaturas aladas monstruosas que invadem o planeta, matando milhões de pessoas ao redor do mundo. Esse dia trágico passa a ser conhecido como o "Dia do Juízo Final". Quinze anos depois, um novo eclipse solar parece determinar a volta de todos esses monstros. Enquanto o governo tenta evacuar as ruas, uma família se vê bem diante de um novo ataque iminente. Agora será preciso correr por suas vidas...

Comentários:
O canal SyFy tem se especializado na produção e exibição desse tipo de produção bem ao estilo B. Bom, não há muito o que esperar de um filme de monstros como esse. O roteiro é primário e o elenco realmente péssimo. É aquele tipo de enredo onde se busca encher linguiça com uma suposta história de uma família com problemas (pai divorciado, mãe tentando recomeçar sua vida amorosa e filho apaixonado pela garota da escola) enquanto se poupa orçamento para o surgimento dos monstros alados (afinal os efeitos especiais parecem ter sido a única coisa para atrair público para uma fita como essa!). É a tal coisa, se ao menos essas criaturas digitais fossem minimamente bem realizadas, mas nem isso! A decepção vem em relação a tudo mesmo, sem exceção! Tudo é muito mal feito, beirando o grotesco! Tudo é absurdamente mal realizado, os monstros que possuem diversas formas, são risíveis. Nem jogos de game, dos mais vagabundos, conseguem recriar digitalmente monstrengos tão desengonçados como esses aqui, que vão aparecendo ao longo do filme. Tudo muito ruim. O conselho final que deixo é: não vá perder seu tempo e procure por coisas melhores. O canal SyFy, pelo visto, vai continuar por um longo tempo nessa sua tradição de decepcionar todos os fãs de filmes de terror e ficção com filmes de quinta categoria! Uma lástima mesmo!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Terror & Ficção - Os Vingadores

Título no Brasil: Os Vingadores
Título Original: The Avengers
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Jeremiah S. Chechik
Roteiro: Don MacPherson
Elenco: Ralph Fiennes, Uma Thurman, Sean Connery, Patrick Macnee
  
Sinopse:
John Steed (Ralph Fiennes) e Emma Peel (Uma Thurman) formam uma dupla de agentes secretos ingleses designados para investigar as misteriosas atividades do milionário excêntrico Sir August de Wynter (interpretado pelo ex-James Bond do cinema Sean Connery). Após algumas descobertas eles ficam sabendo que o vilão está planejando destruir o mundo, usando para isso uma incrível e moderna máquina que consegue mudar o clima e o tempo de diferentes partes do planeta Terra.

Comentários:
Antes de mais nada não vá confundir esse filme com a adaptação para o cinema dos super-heróis da Marvel. Esse aqui é baseado em uma série de TV inglesa criada pelo roteirista Sydney Newman que fez bastante sucesso em 1961, no ano em que foi exibida pela primeira vez. Esse roteirista ainda iria escrever outra série de sucesso, Dr. Who. Os personagens principais desse filme são agentes secretos ingleses (pegando clara e óbvia inspiração nos livros e filmes de James Bond) que enfrentam perigosos vilões que querem destruir o mundo. O agente secreto John Steed (Ralph Fiennes), por exemplo, usa um figurino dos mais conservadores, com direito a bengala e chapéu, mas que ao lado de seu visual de lorde inglês se esconde um hábil lutador e especialista nas típicas manobras de um verdadeiro espião. O que há mais a se elogiar nesse filme é a bonita direção de arte, com figurinos, reconstituição de época, cenários e produção do mais alto nível. O filme inclusive foi rodado nos mesmos estúdios onde os filmes de Bond foram feitos. A despeito disso e de contar com um ótimo elenco (com direito a Sean Connery em papel coadjuvante!) o fato é que o material original que deu origem a essa adaptação envelheceu demais, ficou fora de moda, ultrapassado. Assim não há muito o que apreciar, a não ser a nostálgica atmosfera vintage de uma época que já não existe mais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Terror & Ficção - Deuses e Monstros

Título no Brasil: Deuses e Monstros
Título Original: Gods and Monsters
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Lions Gate Films
Direção: Bill Condon
Roteiro: Bill Condon
Elenco: Ian McKellen, Brendan Fraser, Lynn Redgrave, Lolita Davidovich
  
Sinopse:
O filme mostra os últimos dias de vida de um famoso diretor de cinema do passado. Embora ignorado pelas novas gerações o cineasta James Whale (Ian McKellen) teve seus dias de glória e sucesso em Hollywood na década de 1930, principalmente ao dirigir o clássico Frankenstein (1931). Agora, envelhecido e esquecido, ele enfrenta os maiores desafios de sua existência: o abandono e a solidão! Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Ator (Ian McKellen) e Melhor Atriz Coadjuvante (Lynn Redgrave). Premiado com o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (Bill Condon).

Comentários:
Que belo filme! Para um cinéfilo nada poderia ser mais poético e cativante. O roteiro, que venceu o Oscar merecidamente, foi inspirado no livro escrito por Christopher Bram, onde se misturam fatos reais com pura ficção romanceada. O excelente Ian McKellen interpreta o diretor de cinema de terror James Whale em sua velhice. Aquele que havia dirigido um dos maiores filmes de terror de todos os tempos agora se encontrava enfrentando os desafios da velhice. Ele vive ao lado de uma governanta de personalidade forte, interpretada pela talentosa atriz Lynn Redgrave (que igualmente foi indicado ao Oscar). O filme se passa durante os anos 1950, em plena Guerra da Coreia, e mostra a amizade que o diretor acabou desenvolvendo com seu próprio jardineiro, um veterano de guerra que tenta sobreviver de volta ao lar. A aproximação inicialmente apresenta fortes conotações homossexuais, já que o velho cineasta era gay, mas depois caminha para uma amizade sincera entre ambos. O filme tem vários momentos tocantes, principalmente pelo fato do protagonista ser um velho homossexual que precisa lidar agora com a passagem dos anos e a solidão. Certa vez assistindo a um documentário sobre um lar de repouso de artistas aposentados em Los Angeles vi um antigo astro do passado, agora longe das telas, lembrando que as pessoas continuam a viver, mesmo após o fim da fama. É algo muito triste para um artista quando as luzes dos palcos e dos sets de cinema se apagam para sempre. O roteiro desse filme explora justamente esse aspecto. É uma bela obra cinematográfica, digna realmente de aplausos. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Terror & Ficção - Floresta Negra

Título no Brasil: Floresta Negra
Título Original: Snow White - A Tale of Terror
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Polygram Entertainment
Direção: Michael Cohn
Roteiro: Tom Szolossi, Deborah Serra
Elenco: Sigourney Weaver, Sam Neill, Gil Bellows, Brian Glover
  
Sinopse:
Nessa adaptação sombria de um famoso conto de fadas acompanhamos a história de uma linda jovem que acaba caindo em uma armadilha mortal quando seu pai resolve se casar novamente. Sua nova madrasta é versada em artes ocultas e maléficas, o que colocará sua própria vida em risco. Filme indicado ao Primetime Emmy Awards nas categorias de Melhor Atriz (Sigourney Weaver), Melhor Figurino e Melhor Maquiagem.

Comentários:
Pensou que tudo havia começado com "Alice" de Tim Burton? Ledo engano. Esse filme é interessante porque demonstra que essa ideia de usar contos de fadas em adaptações mais adultas já vem de longe. Há vinte anos, por exemplo, era lançado na TV americana esse "Snow White - A Tale of Terror". Sim, porque ao contrário do que muitos pensam esse não foi um filme produzido para o cinema, mas sim para a TV. A confusão vem do fato dele ter sido lançado no mercado de vídeo no Brasil. Aqui pegaram o conto infantil "Branca de Neve e os Sete Anões" como fonte e adaptaram como se fosse uma história sombria, nebulosa, cheia de monstros, com visual dark. Os figurinos e a produção são muito bons, idem para a maquiagem, porém o roteiro (ah, esse velho problema) voltava para assombrar o espectador desavisado. A palavra que melhor define "Floresta Negra" é forçado! Tudo é forçado aqui, as situações, a fotografia (escura demais para ser considerada), até mesmo o bom elenco está fora do que seria adequado! No geral é um filme que vale pela curiosidade apenas. Não diverte, não cativa e nem surpreende. Só não caia no erro de passar a fita para seus filhos. Provavelmente eles não vão gostar já que essa versão da Branca de Neve não é recomendada para crianças, em nenhuma hipótese.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Terror & Ficção - Logan (posters)



Posters e material promocional do filme "Logan" com estreia prevista nos Estados Unidos para o dia 3 de março de 2017.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Terror & Ficção - Resident Evil 6 - O Capítulo Final (posters)


 Posters oficiais do novo filme da franquia "Resident Evil". Com direção e roteiro de Paul W.S. Anderson, o filme receberá o título no Brasil de "Resident Evil 6: O Capítulo Final" (Resident Evil: The Final Chapter, 2016). No elenco teremos o retorno da atriz e modelo Milla Jovovich no papel de Alice. O estúdio promete aos fãs muitos efeitos especiais e ação. A data de estreia prevista está marcada para o dia 26 de janeiro de 2017.


sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Terror & Ficção - O Monstro da Morgue Sinistra

Título no Brasil: O Monstro da Morgue Sinistra
Título Original: The Flesh and the Fiends
Ano de Produção: 1960
País: Inglaterra
Estúdio: Triad Productions
Direção: John Gilling
Roteiro: John Gilling
Elenco: Peter Cushing, June Laverick, Donald Pleasence, Renee Houston
  
Sinopse:
Escócia, 1828. Na sombria e sinistra cidade de Edimburgo, um cirurgião renomado, o Dr. Robert Knox (Peter Cushing), começa a comprar corpos humanos para suas pesquisas médicas. Quando dois criminosos são executados, a infame dupla de assassinos em série Burke e Hare, o médico se apressa para comprar seus cadáveres, dando começo a uma série de eventos aterrorizantes.

Comentários:
Clássico do terror e suspense estrelado pelo sempre competente Peter Cushing. O curioso é que tudo o que se vê na tela foi baseado em fatos reais, acontecidos na Escócia, durante o século XIX. O caso ficou famoso porque envolveu a compra de corpos de dois assassinos famosos na época, os sanguinários William Burke e William Hare. O objetivo do anatomista Robert Knox (Cushing) era descobrir se alguma característica física desses homicidas explicava de alguma forma o comportamento criminoso, antissocial e violento deles. Interessante é que não faz muito tempo, assistindo a um documentário sobre a cidade de Edimburgo em um canal a cabo me deparei com a exposição dos corpos desses matadores pois eles ainda hoje são conservados na universidade de medicina do lugar. Claro que o filme não é totalmente fiel aos fatos originais pois é um filme de terror ao velho estilo, mas isso não impede de tornar tudo ainda mais instigante ao espectador. Além disso a simples presença do mestre Peter Cushing já justifica o interesse.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Terror & Ficção: Terra de Gigantes


Terra de Gigantes
Uma das séries mais populares dos anos 60 foi Terra de Gigantes. Criada pelo mestre Irwin Allen (de outras séries igualmente populares como "Perdidos no Espaço" e "Viagem ao Fundo do Mar") os episódios exploravam as aventuras de um grupo de tripulantes de uma nave espacial que iam parar em um planeta onde todos eram gigantes. Eles assim tinham que sobreviver naquela estranha e bizarra realidade. A série durou apenas duas temporadas (entre os anos de 1968 a 1970), mas logo se tornou campeã de reprises nas emissoras de TV, ganhando com isso grande popularidade, inclusive no Brasil onde foi exibida por anos e anos.


sábado, 14 de janeiro de 2017

Terror & Ficção - Cidade das Sombras

Título no Brasil: Cidade das Sombras
Título Original: Dark City
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Alex Proyas
Roteiro: Alex Proyas
Elenco: Kiefer Sutherland, Jennifer Connelly, Rufus Sewel, William Hurt
  
Sinopse:
Vivendo em uma cidade eternamente coberta pelas sombras da noite, John Murdoch (Rufus Sewell) acorda repentinamente sem lembrar de absolutamente nada do que aconteceu. Pior do que isso, ele vira suspeito de ter cometido vários assassinatos violentos, com requintes de crueldade! Seria verdade? Ele simplesmente não sabe responder. Para o inspetor de polícia Frank Bumstead (William Hurt) ele é o culpado.

Comentários:
Esse é aquele tipo de filme com muito estilo em seu visual, cenários e direção de arte, mas sem um grande roteiro por trás de tudo. Na época de seu lançamento foi bem elogiado nos aspectos técnicos, mas também criticado por tentar ser um filme noir moderno, onde se mistura uma trama de assassinato com uma tendência neo-punk futurista. Realmente, da estória você provavelmente esquecerá em pouco tempo, porém esse estilo visual ficará em sua mente por um bom tempo. Chego até mesmo a ficar surpreso que esse filme nunca tenha inspirado as histórias em quadrinhos (se virou graphic novel, desconheço). Até porque, pense bem, o diretor e roteirista Alex Proyas usou muito da linguagem de HQs. É no fundo uma mistura de Blade Runner com velhos filmes de detetives estrelados por Robert Mitchum. Uma mistura bem estranha, ainda mais acentuada pela extrema escuridão da fotografia do filme (não é brincadeira, em muitos momentos você não vai conseguir enxergar absolutamente nada na tela!). Do elenco o ator que mais se saiu bem nos anos seguintes foi Kiefer Sutherland. Seu personagem aqui porém é apenas secundário, um médico que decide ajudar o protagonista a encontrar a verdade dos fatos. Já Jennifer Connelly está muito atraente com esse figurino escuro, sombrio, o que por si só já é bastante sensual.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Terror & Ficção - 10 Curiosidades Sobre o Filme Dominação

10 Curiosidades Sobre o Filme Dominação:

1. O filme retoma o tema do exorcismo, tal como celebrado na história do cinema desde o clássico "O Exorcista". A produção está em cartaz em todo o Brasil.

2. No enredo temos um protagonista com poderes especiais. Ele é um exorcista que consegue entrar na mente das pessoas que estão possuídas por demônios. Isso lhe dá uma grande capacidade de luta contra essas possessões satânicas.

3. Seu poder porém é desafiado quando encontra um garoto que também tem os mesmos dons que o exorcista, dando origem a uma verdadeira batalha pela almas sofredoras dos que estão sob controle de Satanás.

4. O filme teve produção complicada. As filmagens foram finalizadas em 2013, mas o estúdio encontrou diversos problemas na pró-produção. Só em 2016 o filme conseguiu finalmente chegar nas telas de cinema.

5. O ator Aaron Eckhart procurou fazer uma extensa pesquisa para o filme. Seu laboratório consistiu em conhecer pessoas que lidam com o tema exorcismo na vida real. Ele se consultou com padres exorcistas autorizados pelo Vaticano para fazer o ritual secular de expulsão de demônios do corpo de fiéis..

6. Segundo o diretor Brad Peyton o ator Eckhart teria inclusive participado de um ritual de exorcismo real realizado em Nova Iorque, informação não confirmada oficialmente nem pela Igreja Católica e nem pelo estúdio.

7. O filme teve um orçamento modesto, meros cinco milhões de dólares. Isso ajudou a gerar lucro rapidamente, sendo que a produção já recuperou seus custos nas bilheterias. Vários estúdios cinematográficos estão se especializando em produzir filmes de terror a baixo custo. O retorno tem sido quase sempre certo.

8. Esse é o terceiro filme lançado em larga escala do diretor Brad Peyton e também seu primeiro terror a chegar no circuito comercial. Antes ele havia dirigido o filme de aventura ao estilo juvenil "A Viagem 2: A Ilha Misteriosa" e o filme de cinema catástrofe "Terremoto: A Falha de San Andreas".

9. Em termos de crítica "Dominação" tem sido recebido com reservas, mas o saldo acabou sendo mais positivo do que era esperado.

10. O roteirista Ronnie Christensen jamais havia escrito um roteiro de terror. Sobre isso ele disse: "As pessoas hoje em dia andam bem céticas sobre assuntos espirituais, como rituais de exorcismo, etc. Acredito que há um mistério envolvendo essas coisas que fogem da racionalidade e compreensão dos seres humanos. É certo que existe algo a mais, basta procurar."

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Terror & Ficção - 10 Curiosidades sobre o filme Passageiros

10 Curiosidades sobre o filme "Passageiros"

1. O filme está em cartaz em todo o Brasil. A produção foi realizada com orçamento generoso, de 110 milhões de dólares, mas não tem se saído muito bem nas bilheterias americanas.

2. O filme também anda colecionando críticas ruins. Muitos criticaram a opção nada ética ou honesta do personagem principal que tira uma jovem passageira da hibernação apenas para satisfazer seus caprichos e desejos, a condenando a nunca mais chegar em seu destino final.

3. O roteiro foi escrito em 2007, mas só conseguiu aprovação de um estúdio quase uma década depois. Embora a trama seja bem original, alguns produtores temiam uma reação negativa por causa do ato do personagem principal.

4. Andy Garcia foi um dos primeiros atores a serem contratados. Ele ficou completamente surpreso depois ao receber o script e perceber que não tinha nenhum diálogo em cena, ficando apenas pouco mais de um minuto na tela. Quase recusou sua participação ao saber disso, mas como já havia assinado o contrato cumpriu sua obrigação.

5. A atriz Jennifer Lawrence recebeu 20 milhões de dólares por seu trabalho no filme. Já o ator Chris Pratt levou 12 milhões por sua atuação. Depois da conclusão do filme a atriz explicou que exigiu um cachê maior para acabar com o estigma de que em Hollywood as mulheres recebem cachês bem menores do que os homens.

6. A personagem de Jennifer Lawrence se chama "Aurora" por causa da personagem de "A Bela Adormecida". O roteiro aliás está cheio de pequenas referências pop como essa.

7. O diretor do filme explicou que as cenas de bar foram completamente inspiradas no clássico "O Iluminado" de Stanley Kubrick. Inclusive o figurino do barman é exatamente o mesmo.

8. O filme seria inicialmente estrelado por Keanu Reeves. Ele cogitou realmente estrelar a produção mas depois desistiu. Para a revista Variety o ator caiu fora por achar que seria criticado por causa do personagem "politicamente incorreto" que teria que fazer.

9. O roteiro traz várias referências ao clássico da ficção "2001: A Space Odyssey". Parte da ideia inclusive partiu logo após o roteirista Jon Spaihts assistir ao clássico imortal de Stanley Kubrick.

10. Laurence Fishburne foi escalado para o filme por causa do papel de capitão de uma nave espacial que desempenhou em "O Enigma do Horizonte". O nome do personagem inclusive é o mesmo.

Leia a crítica do filme clicando aqui!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Terror & Ficção - Kull - O Conquistador

Título no Brasil: Kull - O Conquistador
Título Original: Kull the Conqueror
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: John Nicolella
Roteiro: Charles Edward Pogue
Elenco: Kevin Sorbo, Tia Carrere, Thomas Ian Griffith
  
Sinopse:
Kull (Kevin Sorbo) é um guerreiro bárbaro que consegue se tornar rei em um duelo mortal. Com a morte do monarca ele seria assim o legítimo sucessor do trono, porém os herdeiros do rei morto não aceitam a subida ao poder de Kull, que dessa forma precisará lutar com toda a voracidade e fúria para sentar no trono que ele considera seu por direito e honra.

Comentários:
Mais um filme adaptado da obra do escritor Robert E. Howard. Obviamente o personagem bárbaro Kull não chega aos pés do guerreiro mais popular criado por Howard, o Conan. Mesmo assim há aspectos que poderiam ser bem aproveitados nas telas, como as origens do guerreiro descritas no livro original  (ele teria nascido na Atlântida Pré-Cataclísmica há mais de 10 mil anos, crescido com piratas selvagens, lutado grandes batalhas). Infelizmente todo o passado glorioso de Kull acabou sendo colocado de lado pelos produtores desse filme para se contar apenas uma estorinha quase que completamente banal. O curioso é tudo isso partir de Raffaella De Laurentiis, a filha do grande produtor Dino. Ela poderia ter aprendido mais com a experiência do pai (que produziu os dois primeiros filmes de Conan para o cinema) e ter optado por um roteiro melhor. O elenco também não colabora muito. Sempre achei muito equivocada a escolha do astro de TV Kevin Sorbo para interpretar o protagonista. Isso porque ele já estava muito associado às séries "Hércules" e "Xena", o que prejudicou bastante o filme como um todo. Assim, no geral, o filme apresenta muitos problemas. Para os fãs da obra de Robert E. Howard essa produção é certamente uma das piores já feitas. Não chegaria a tanto. Tudo bem, passa longe de ser um bom filme, mas pelo menos diverte, se você conseguir se focar apenas na pura diversão sem pretensões.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.