sábado, 5 de julho de 2014

A Cela

Título no Brasil: A Cela
Título Original: The Cell
Ano de Produção: 2000
País: Estados Unidos
Estúdio: New Line Cinema
Direção: Tarsem Singh
Roteiro: Mark Protosevich
Elenco: Jennifer Lopez, Vince Vaughn, Vincent D'Onofrio

Sinopse:
Carl Stargher (Vincent D'Onofrio) é um maníaco e psicopata que leva suas vítimas, jovens inocentes, para uma fazenda distante e abandonada. Lá as submetem a todos os tipos de torturas. Quando finalmente é pego pelo FBI sofre um ataque apoplético e entra em coma vegetativo. O problema é que o FBI sabe que ainda há uma vítima escondida pelo criminoso mas não tem mais como saber sua exata localização agora que ele está nessa situação. Para tentar encontrar a garota o FBI busca então ajuda com a Dra Catherine Deane (Jennifer Lopez) que tentará entrar dentro da mente do assassino com o uso de uma tecnologia de última geração. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Maquiagem. Também indicado ao Saturn Award em quatro categorias incluindo Melhor Filme de Ficção e Melhor Atriz (Lopez).

Comentários:
Apesar do roteiro ser interessante (dificilmente filmes sobre Serial Killers são ruins) o que se destaca completamente nesse "The Cell" é a direção de arte, a fotografia, a maquiagem e os figurinos. A concepção de um universo próprio dentro da mente do psicopata certamente é uma das coisas mais imaginativas e bem boladas do cinema nos últimos anos, simplesmente exuberante. Na época de lançamento do filme muitos críticos acusaram o filme de ser um exercício vazio de estética, uma produção muito rica aos olhos mas muito pobre em conteúdo ou profundidade. Bem, pode até haver um fundo de verdade nesse ponto de vista, mas temos que levar em conta que muitos filmes são realizados dessa forma de modo proposital. O cineasta indiano Tarsem Singh quis intencionalmente realizar um filme que fugisse dos padrões mais convencionais. Nesse quesito acertou em cheio. Não conheço nenhum outro filme que tenha um visual parecido. O curioso é que a estética parece mesmo ser o forte de Singh, já que ele levou esse estilo para seus filmes posteriores, em especial o mais recente "Imortais". Pelo visto essa parece ser a marca registrada do diretor, filmes cujas cenas mais parecem quadros vivos de surrealismo.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário