sábado, 21 de março de 2015

As Bruxas de Salem

A peça "As Bruxas de Salem" foi escrita por Arthur Miller no auge das "caças às bruxas" (Macarthismo) quando o senador Joseph McCarthy começou a implantar uma política de paranoia e perseguição contra pessoas e setores que ele julgava serem de esquerda ou comunistas. Muitas pessoas eram acusadas sem nenhuma prova ou base legal. Era a perseguição pela perseguição, onde várias reputações foram destruídas sem qualquer justificativa plausível. Entre os acusados de subversivo estava o próprio Arthur Miller que foi perseguido e interrogado no congresso americano. Depois de passar por tudo isso ele se inspirou em um fato real ocorrido em Salem, Massachusetts, no ano de 1692, para criar uma metáfora da situação política que era vivida nos EUA naquele momento. Naquela ocasião uma pequena garota acusou vários moradores da cidade de bruxaria o que levou a uma convulsão social, com todos acusando a todos em um delírio fanático religioso. "As Bruxas de Salem" nos leva a várias conclusões sobre tudo o que ocorreu naquela vila. A primeira é que religião em excesso leva ao histerismo completo. Hoje em dia leis civis e penais protegem os cidadãos de loucuras como essa que ocorreu em Salem mas tenho certeza que se não fosse isso teríamos muitos casos parecidos até nos dias atuais. Eu mesmo conheço pessoas que de tão religiosas se tornaram completamente insanas. Tenho absoluta convicção que essas mesmas pessoas não pensariam duas vezes antes de tomar as mesmas atitudes que vemos no filme.

O enredo também demonstra sem rodeios a verdadeira face da coletividade humana. Utilizando-se do clima geral de paranóia e histerismo muitos moradores de Salem simplesmente acusaram desafetos que tinham sem nenhuma base ou prova das supostas atividades demoníacas. Muitos cidadãos ditos exemplares da comunidade começaram a acusar todos com quem tinham alguma diferença pessoal apenas por vingança e mesquinharia pessoal. Sobre o filme em si não há muito o que comentar. É um excelente trabalho de atores de extremo talento. Elogiar Daniel Day-Lewis é chover no molhado. Winona, a cleptomaníaca, está ótima também. Tiveram que adaptar seu personagem pois a verdadeira Abigail Williams tinha apenas onze anos quando começou a delirar e mandar os habitantes de Salem para a forca. Assim Winona faz uma personagem com mais idade, saindo já da adolescência, com o óbvio objetivo de afastar o caráter pedófilo de seu envolvimento com John Proctor.. Em conclusão "As Bruxas de Salem" expõe como poucos textos a podridão da alma humana. Tape o nariz e encare o filme, vai valer a pena!


As Bruxas de Salem (The Crucible, EUA, 1996) Diretor: Nicholas Hytner / Roteiro: Arthur Miller baseado em sua peça "The Crucible" / Elenco: Daniel Day-Lewis, Winona Ryder, Paul Scofield, Joan Allen, Bruce Davison, Rob Campbell./ Sinopse: Abigail Williams (Winona Ryder) é uma jovem que se apaixona por um homem casado, John Proctor (Daniel Day-Lewis), Rejeitada começa a inventar estórias de bruxaria na pequena Salem onde mora. As inverdades trarão consequências terríveis para todos no local.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário